Claudia | 06/11/2017 13:43

Prestar atenção às características da queixa ajudam a encontrar a solução do problema


dor de cabeça (millann/ThinkStock)

Segundo dados divulgados pela Academia Brasileira de Neurologia (ABN), em maio deste ano, mais de 80% dos brasileiros confessaram sofrer de algum tipo de dor de cabeça. E muito embora o estresse seja apontado como uma de suas principais causas, especialistas compilaram cerca de 150 a 300 causas identificadas que podem acarretar a condição, considerando desde fatores internos à externos.

De acordo com o Dr. Roberto Rached, fisiatra do Hospital das Clínicas, além do estresse a hipoglicemia (redução dos níveis de açúcar no sangue), disfunções de pressão, cardíacas também podem acarretar o seu aparecimento. “Temos uma prevalência tão grande da dor de cabeça porque ela é multifatorial, ou seja, uma série de fatores são responsáveis pelo seu surgimento”, esclarece o médico, que completa: “A queixa mais comum é justamente aquela ligada ao estresse, que nem sempre é emocional, mas também físico. O perfil é quase sempre o mesmo — o paciente trabalha demais, com o pescoço inclinado para baixo, sobrecarregando o músculo localizado na região inferior da cabeça”.

Para a Dra. Alexandra Tavares Raffaini, médica assistente da equipe de Controle da Dor da Divisão de Anestesia do Icesp – Hospital das Clínicas/Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, médica assistente da equipe de dor da Santa Casa de São Paulo, existem mais de cem tipos diferentes de dor de cabeça: “É a segunda causa mais frequente de dores crônicas. Seu aparecimento pode estar relacionado a diversos fatores desencadeantes, como a má alimentação, distúrbios do sono, contrações musculares, neuropatia (danos nos nervos), artrose da coluna cervical, entre muitos outros.”

Roberto também esclarece que a dor de cabeça ocasionada pela rotina exaustiva de trabalho é característica por provocar alterações na região das orelhas: “Essa musculatura fica muito próxima dos ouvidos, por isso a pessoa, geralmente, relata o aparecimento de zumbidos, tontura acarretadas por alterações significativas nos tímpanos e no labirinto”, comenta. Além disso, o especialista afirma que alterações hormonais decorrentes do início da menopausa também podem causar a condição. “Com a alteração hormonal, as artérias, veias e outros vasos que estão na cabeça podem perder um pouco do controle da pressão, o que, inevitavelmente, poderá causar dor”, conta.